Autoconhecimento

autoconhecimento

Quem nunca teve alguma dorzinha de cabeça com banco? Eu estou tendo uma, mas não resolvi escrever esse artigo para reclamar da burocracia e infinitos impasses que só as instituições financeiras fazem por você, mas sim para compartilhar uma reflexão sobre o comportamento de um dos envolvidos na história toda: O GERENTE.

O gerente é meu ponto focal para tratar do processo, ele tem e-mail e telefone, mas não responde nenhum deles. Quando atende o telefone, nunca tem a resposta de antemão, a resposta é sempre “ vou verificar e já retorno! ”. Até aí tudo bem, fico aguardando... O fºd@ é que a parte do “já retorno” nunca acontece.

O e-mail só é usado para comunicar que algo no processo deu errado. Normalmente o erro não é muito claro, então eu respondo o e-mail para esclarecer minhas dúvidas e, adivinha? A resposta nunca vem... Das vezes que eu fui até a agência falar com ele (pois a comunicação tinha que ser assim, no pulo do gato), a história era sempre a mesma: desculpe, essa minha rotina é muito estressante, é muita correria, é muita pressão... Sempre essas desculpas vinham acompanhadas de uma postura cabisbaixa e sem energia.

Bom, não vou prolongar mais essa história, pois ela já me causou muita chateação e não é isso que eu quero despertar em você. O fato é que, de acordo com a minha percepção, ele não gosta daquela rotina, aquele trabalho não tem propósito para ele e talvez esse seja o motivo da ausência de vontade, da falta de pró-atividade, de não ter aquele entusiasmo para ver as coisas acontecerem! Você sabe o que é pior? Por algum motivo, ele quis estar nessa posição, ele almejou tudo isso e provavelmente suou muito para estar lá!

Assumir um papel que não foi feito para você não causa frustração apenas quem resolveu embarcar nessa, mas sim a todos à sua volta: clientes, amigos de trabalho, família. Além disso, ainda tira a oportunidade de outra pessoa fazer a diferença nesse lugar!

Uma das etapas que mais me fascinam em um processo de Coaching é a do autoconhecimento. Eu acredito verdadeiramente que a maioria das decisões erradas, principalmente quando falamos de carreira e empreendedorismo, aconteceram por falta de autoconhecimento. A partir do momento em que você conhece seus valores e seus superpoderes, entende o que te alimenta a alma e, por outro lado, o que suga sua energia, você se torna apto para tomar melhores decisões e traçar sua jornada com base no que é melhor para VOCÊ e não para os outros.

Você pode estar pensando agora: “Cê é louco, Cachoeira! Se todo mundo resolvesse fazer o que gosta, não vai ter gente para assumir determinados tipos de emprego! “, e é aí que você se engana!

Normalmente as pessoas idealizam o trabalho dos sonhos como sendo algo em que elas fariam pouco esforço, pois essa é a recompensa imediata que elas querem por estarem em algo que, definitivamente, não as satisfaz. Entretanto, com o passar do tempo, pode ser que esse emprego dos sonhos não seja mais tão mágico assim. Por exemplo, quando eu estava no auge no stress enquanto trabalhava com TI, o que eu mais queria era trabalhar viajando o mundo. O problema é que família é algo muito importante para mim e estar longe por muito tempo certamente me deprimiria após o êxtase inicial.

Eu tenho um amigo pessoal que é DBA (Database Administrator), em uma conversa eu perguntei como ele aguentava tanta pressão, não ter hora para entrar e sair do trabalho, ter que ficar online direto, pois a qualquer momento alguém poderia precisar de sua atuação. A resposta dele foi surpreendente! Ele disse que simplesmente ama o que faz! Ele adora quando tem um problema crítico para resolver e que o sentimento de realização que vem ao esmerilhar o problema através das linhas de código não tem preço! Enquanto muitos partem para essa profissão por grana ou status, ele optou porque viu nela a oportunidade de usar seus talentos e conhecimentos técnicos, além de prover o desafio que o instiga tanto!

Se em algum momento você pensou ter feito a escolha errada, saiba que nunca é tarde para se autoconhecer, para sair de uma vida morna e ingressar em outra apaixonante! Só depende de você querer dar o primeiro passo!

Vamos nessa?